Esta pintura representa S. Gregório I, sentado, com um livro aberto, recebendo sinal de uma S. Gregório o Magnopomba (símbolo do Espírito Santo). Segundo Diácono Pedro, discípulo e amigo de S. Gregório, era o Espírito Santo que inspirava o Santo quando este escrevia as suas homilias.
S. Gregório I, chamado “Magno” e o “Grande”, nasceu em Roma em 540. Estudou direito e aos 30 anos ocupou o cargo de prefeito da cidade onde nasceu. Atraído pela vida religiosa renunciou ao cargo e tornou-se monge, abraçando a Ordem de S. Bento.

Foi enviado como embaixador do papa Pelágio II à corte bizantina (Constantinopla) e conseguiu tão grande reputação no desempenho de todas as suas missões que, em 590, após a morte do Papa Pelágio, tanto o povo como clero o proclamaram unanimemente Papa.

O seu pontificado caracterizou-se pelo esforço de reorganização e restauração da igreja. A ele se deve a utilização do título “Servo dos Servos de Deus”, como título dos papas, a reforma da liturgia e a codificação do Cantochão (música litúrgica da Igreja) que é também conhecida como Canto Gregoriano.

Faleceu em 604, sendo sepultado na Basílica de S. Pedro (Vaticano). Canonizado logo após a sua morte, foi honrado com o título de Doutor da Igreja e reconhecido como um dos grandes quatro Padres da Igreja Latina.