Em tempos em que os casamentos das princesas eram tidos como tratados internacionais, Catarina – filha de D. João IV – surge como um trunfo diplomático após a Restauração da Independência.

Terá levado consigo – aquando do seu casamento com Charles II de Inglaterra – não só o chá, que introduziu nos hábitos sociais ingleses, como a porcelana, o garfo para a mesa da Corte, o gosto pela música italiana, a invenção da famosa marmelada inglesa, a mudança do nome mandarina (chinês) para tangerina, bem como a introdução das modas dos leques e a do tabaco.

A primeira globalização foi portuguesa e, durante séculos, alimentou os sonhos dos europeus.

Catarina é mais um exemplo desta globalização.

D. Catarina de Bragança