Protocolo entre o Paço dos Duques de Bragança em Guimarães, o Município de Barcelos, o Município de Montalegre e o Município de Cabeceiras de Basto no âmbito da História da Casa de Bragança

A criação da Casa de Bragança aconteceu na primeira metade do século XV e decorreu da acção directa de D. Nuno Álvares Pereira, grande mecenas material desta linhagem iniciada pelo Duque D. Afonso I, filho ilegítimo de D. João I, 8º Conde de Barcelos.

Fruto destas relações, a influência da Casa de Bragança e as suas marcas materiais podem ser observadas em vários pontos do Norte do país, os quais representam vestígios históricos e patrimoniais identitários únicos em Portugal.

Considerada esta implantação geográfica, o Paço dos Duques de Bragança em Guimarães, o Município de Barcelos, o Município de Montalegre e o Município de Cabeceiras de Basto assinaram um protocolo visando a valorização, salvaguarda e promoção destes vestígios, articulando um roteiro de visita regional consubstanciada nas marcas da Casa de Bragança entre as diferentes localidades referenciadas.

Assim, ao abrigo deste protocolo foi produzida uma exposição denominada A Casa de Bragança entre Douro e Minho – 1442-1580.

Esta exposição apresenta de forma breve a história da fundação da Casa de Bragança, os 1ºs Duques e ainda os vestígios materiais que poderão ser encontrados nas quatro localidades integrantes deste projeto.

Podem ser visitadas entre as seguintes datas e nos locais a seguir indicados

Guimarães
Paço dos Duques, até ao final de 2012

Barcelos
Sala Gótica da Câmara Municipal de Barcelos, até 27 de Novembro

Montalegre
Casa do Capitão – Museu de Salto, até 31 de Dezembro

Cabeceiras de Basto
Biblioteca Municipal Dr. António Teixeira de Carvalho, até 31 de Dezembro

A CASA DE BRAGANÇA ENTRE DOURO E MINHO – 1442-1580