D. Constança de Noronha, filha de D. Afonso, Conde de Gijón e Noronha e de D. Isabel, Senhora de Viseu, contraiu matrimónio, em julho de 1420, com D. Afonso, futuro Duque de Bragança, vindo a habitar o Paço Ducal em Guimarães, alguns anos mais tarde.
Sem filhos e dotada de rara beleza e virtuosidade, desde cedo se dedicou à causa humanitária e religiosa, envergando o hábito de S. Francisco e dando apoio aos pobres e doentes de toda a região vimaranense. Após a morte de D. Afonso, em 1461, a primeira duquesa de Bragança reforçou o seu empenho assistencial e religioso, alternando entre o recolhimento espiritual e a ajuda aos enfermos que regularmente abrigava na sua residência. Encontra-se sepultada, por sua expressa vontade, na Igreja de S. Francisco em Guimarães, onde se pode ler o seguinte epitáfio: “Alphonsi Ducis Hoc Conjux Constança Noronha Conditur in Tumulo”.